top of page

Cabelo liso e a ciência por trás do alisamento capilar

O alisamento capilar pode ser feito de forma física ou química.

Anatomicamente o cabelo possui 3 camadas: a cutícula, o córtex e a medula. A parte mais externa é a cutícula, que é composta de queratina e consiste em camadas de escamas sobrepostas umas às outras, como as telhas em um telhado. A cutícula atua como uma barreira e protege a camada logo abaixo dela, o córtex. A cutícula normal e intacta tem de 6 a 8 camadas de acordo com a etnia, uma superfície lisa, permitindo a reflexão da luz e limitando o atrito entre os fios.

A superfície externa das células da escama da cutícula é revestida por uma membrana fina, a epicutícula, e cada célula da cutícula é composta por 3 camadas de proteína: a primeira camada é resistente com alto teor de cistina; a exocutícula, também rica em cistina; e a endocutícula, com baixo teor de cistina.

O córtex representa a maior parte da haste do cabelo sendo formada por microfibrilas, longos filamentos orientados paralelamente ao eixo da fibra. Cada microfibrila é constituída por filamentos intermediários de queratina, também conhecidos como microfibrilas, e a matriz, constituída por proteínas associadas à queratina. É a camada mais espessa localizada ao redor da medula, que é a parte mais interna do cabelo, possui grânulos de melanina cuja composição está relacionada com as tonalidades da cor do cabelo. Também é responsável pelo volume do cabelo, pela grande resistência à tração e resistência mecânica da haste, pois contém a maior parte da queratina.


O principal componente da fibra capilar é a queratina. Os constituintes restantes são representados por outras proteínas, água, lipídios, pigmentos e oligoelementos. Devido à sua conformação específica e ligações químicas, a queratina é responsável pela rigidez, força e insolubilidade do cabelo. Entre os aminoácidos que compõem a queratina, a cistina é um dos mais importantes. Cada unidade de cistina contém 2 aminoácidos de cisteína de diferentes porções das cadeias peptídicas que são conectadas por 2 átomos de enxofre, formando uma forte ligação denominada ponte dissulfeto. Outro componente estrutural importante da haste capilar é o ácido 18-metil eicosanóico (18-MEA) que forma uma camada hidrofóbica que impede a água de molhar e penetrar e alterar as propriedades físicas da haste capilar. A remoção da camada de ácidos graxos diminui o brilho do cabelo, tornando-o mais suscetível à eletricidade estática e ao frizz induzido pela umidade.


A forma espiral do cabelo é determinada pela expressão assimétrica de proteínas nos folículos pilosos. Como ainda não é possível modificar a forma do folículo, a única forma de mudar a aparência do cabelo é modificando suas propriedades físico-químicas.


Agentes Alisantes Físicos ou Térmicos


Pente quente


Este método foi desenvolvido no final do século 19 e tornou-se popular no início do século 20 por Madame C.J. Walker, que combinou pente quente com óleo de prensagem. É um alisamento temporário, pois altera apenas ligações de hidrogênio fracas, em um processo denominado hidrólise da queratina. A técnica inicial consistia na aplicação de uma pomada à base de petrolato nos cabelos, seguida de alisamento com pente de metal aquecido. Com o tempo, a técnica foi aprimorada. No entanto, com a introdução de novos métodos, o pente quente saiu de uso.



Secador de cabelo e chapinha


Técnicas físico-químicas que combinam alisamento mecânico e térmico, como secador e chapinha, são soluções temporárias que duram até a próxima lavagem. O cabelo precisa estar molhado, para que as pontes de hidrogênio se quebrem e haja a abertura transicional da estrutura helicoidal da haste causando o relaxamento dos fios. O uso combinado do secador e da chapinha desidrata o cabelo, mantendo-o liso.


Altas temperaturas, entre 235 e 250°C no cabelo seco e 155–160°C no cabelo molhado, podem desnaturar as proteínas da haste do cabelo. Normalmente, os secadores de cabelo são mais prejudiciais à haste capilar do que a secagem natural. No entanto, um estudo mostrou que o uso do secador com movimento contínuo, a uma distância mínima de 15 cm do cabelo, pode ser menos prejudicial do que a secagem natural.


Alisadores Alcalinos


Os hidróxidos são álcalis potentes, amplamente utilizados para alisar cabelos muito crespos. O hidróxido de sódio, também conhecido como soda cáustica, é indicado para alisar cabelos extremamente crespos. Os relaxantes contendo hidróxido de guanidina, são indicados para alisar cabelos ondulados a cacheados e couro cabeludo sensível. Embora mais suave para o couro cabeludo, deixa resíduos minerais de cálcio na haste do cabelo, tornando-o mais seco, quebradiço e sem brilho.

Ambos possuem pHs extremamente altos, em torno de 10 -13.


Os hidróxidos promovem o alisamento permanente, pois quebram as pontes dissulfeto de queratina do córtex. Os álcalis reagem com a cistina na queratina através da lantionização. Nesse processo, 1/3 dos aminoácidos cistina são substituídos por lantionina, um análogo da cistina que contém apenas um átomo de enxofre e contribui para estabilizar a configuração mais lisa do cabelo. O alto pH e a conversão de cistina em lantionina enfraquecem a haste do cabelo, razão pela qual os hidróxidos estão relacionados a um maior risco de danos ao cabelo.



Figura 1. O pH alcalino dos hidróxidos (9–14) incha a haste do cabelo, abre sua cutícula e permite a penetração do alisador no córtex. Após a secagem e aquecimento, um agente de pH ácido é aplicado para neutralizar o processo, remodelando o cabelo na nova estrutura desejada. Processo de lantionização no qual 1/3 dos aminoácidos cistina são substituídos por lantionina.


Os hidróxidos não são quimicamente compatíveis com o tioglicolato e, portanto, o uso concomitante pode levar à quebra do cabelo. Alisantes com tioglicolato em sua fórmula podem ser usados em cabelos previamente tingidos ou quimicamente ondulados.


Incompatibilidade entre diferentes produtos químicos capilares


Tióis


Esse grupo compreende o tioglicolato de amônio (TA), o tioglicolato de aminometilpropanol e o tioglicolato de etanolamina. Eles têm menos poder e um custo mais elevado do que os agentes hidróxidos. Sua principal aplicação é alisar cabelos cacheados e ondulados. AT é o mais popular, cuja solução varia de 7,5 a 11% de concentração, e pH entre 9 e 9,3. Soluções mais alcalinas, com maior quantidade de amônia, permitem o uso de menor concentração de tioglicolato com a mesma eficácia. Como desvantagem, apresentam odor desagradável e são mais irritantes para a pele.


Os tióis penetram no córtex e alisam o cabelo quebrando as ligações de sulfeto dos aminoácidos cistina, formando 2 cisteínas para cada cistina. Assim como os hidróxidos, os tióis também incham a haste do cabelo, mas sem reação de lantionização. O processo se completa com a neutralização, feita com o uso de um agente oxidante, geralmente peróxido de hidrogênio. Quando a mesma técnica não envolve o uso da chapinha, ela é chamada de relaxamento.


Os alisamentos com tioglicolato de amônio podem causar o desbotamento da cor, principalmente em cabelos castanhos e pretos, devido à reação de oxidação. Além disso, os alisantes geralmente não são recomendados na gravidez, embora um estudo não tenha mostrado associação entre o uso desses produtos por mulheres grávidas e complicações, mas é melhor evitar.


Alisamento Ácido


Essa técnica é citada em literaturas como introduzida em 2003 aqui no Brasil.

Mais tarde, outros países o adotaram, chamando-o de Brazilian Keratin Treatment (BKT). BKT promete relaxamento capilar e redução eletrostática, possivelmente tornando o cabelo mais manejável e realçando sua cor e brilho. Ao contrário dos hidróxidos e tióis, pode ser aplicado em cabelos previamente alisados ou tingidos.


Formaldeído


No Brasil, o uso do formol não é permitido como alisante capilar. Entretanto, 35% dos fiscais de Vigilâncias Sanitárias de estados e municípios que participaram de uma pesquisa da Anvisa sobre este tema, divulgada no início do ano, relataram ter constatado o uso irregular de formol em alisantes.

Adicionar formol a esses produtos é infração sanitária (adulteração ou falsificação) e crime hediondo, de acordo com o art. 273 do Código Penal.


O formaldeído é um aldeído solúvel amplamente utilizado por suas propriedades químicas. Funciona como conservante na composição de diversos produtos de uso diário. Alguns sinônimos de formaldeído são metanal, formalina, aldeído fórmico, oximetileno, aldeído metílico e oximetano. Vários países proibiram seu uso como ingrediente ativo em produtos de alisamento. Os liberadores de formaldeído são compostos químicos que, em altas temperaturas, têm o formaldeído como 1 de seus produtos finais. Exemplos de liberadores de formaldeído são óxido de metileno e metileno glicol.

A restrição de formaldeído ocorre devido ao seu efeito cancerígeno, principalmente se submetido a altas temperaturas. O formaldeído é classificado como carcinógeno humano devido ao potencial maligno para os sistemas respiratório e hematológico, estando associado ao câncer nasossinusal e leucemia mieloide. Representa um risco para o usuário e para o profissional que a executa, pois sua inalação crônica está relacionada ao aumento da incidência de processos malignos. A exposição aguda também é prejudicial e causa lesões cutâneas que variam de eczema leve a queimaduras e necrose da pele; linfadenopatia, dores de cabeça, conjuntivite alérgica; lesões respiratórias, que podem ser fatais. Há também relatos sobre necrose tubular levando a insuficiência renal aguda. Um estudo mostrou reações na pele e no couro cabeludo sugerindo um fenômeno de reação a drogas e não apenas eczemas de origem irritante ou alérgica.



Glutaraldeído


O glutaraldeído é um dialdeído saturado, comercializado como conservante cosmético a 0,2% e como esterilizante e desinfetante hospitalar em concentrações de até 2%. É potente na produção de ligações cruzadas estáveis com proteínas do DNA e mais tóxico que o formaldeído, especialmente para o sistema respiratório. Por ser potencialmente cancerígeno, seu uso como alisante é proibido em qualquer concentração.


Ácido glioxílico e suas variantes


O ácido glioxílico, também chamado de ácido fórmico ou ácido oxoacético, é um composto orgânico e o mais simples dos ácidos aldeídicos. Após a proibição do formaldeído como alisante em vários países, o ácido glioxílico passou a ser amplamente utilizado em produtos para alisar os cabelos. Segundo a literatura, o ácido glioxílico liberaria formaldeído quando submetido a altas temperaturas.

Os alisamentos contendo ácido glioxílico têm resultados semipermanentes, mantendo a configuração lisa do cabelo por até 5 a 10 lavagens. Essa desnaturação da proteína ocorre através da reação entre o ácido e a estrutura dos aminoácidos. O ácido glioxílico penetra pelas cutículas e atua nas pontes de hidrogênio e no aminoácido tirosina do córtex. Quando é incorporado, os resíduos de tirosina ficam expostos pelas interações das pontes de hidrogênio com a porção carboxílica do ácido. Embora não haja quebra nas pontes dissulfeto, há uma mudança na forma dessas ligações. Essas reações, quando associadas ao calor, originam uma estrutura biopolimerizada, alisando o cabelo.


Derivados ácido glioxílico, como glioxiloil carbocisteína e glioxiloil queratina aminoácido oxoacetamida, também são usados como alisantes. Tais substâncias provocam uma mudança temporária na estrutura do cabelo. Seu mecanismo de ação é semelhante ao de outros alisantes ácidos: além da já conhecida formação de cross-links envolvendo 2 ou mais cadeias polipeptídicas; os aldeídos interagem com a cadeia de aminoácidos do cabelo, formando um produto incomum na haste capilar: as iminas e o hemiacetal. A temperatura está fortemente associada a este processo, pois altas temperaturas, aumentam a formação destes produtos.



Fonte:

Barreto T, Weffort F, Frattini S, Pinto G, Damasco P, Melo D. Straight to the Point: What Do We Know So Far on Hair Straightening? Skin Appendage Disord. 2021 Jun;7(4):265-271. doi: 10.1159/000514367. Epub 2021 Mar 30. PMID: 34307473; PMCID: PMC8280444.

429 visualizações0 comentário