top of page

Ácido tranexâmico na inibição da plasmina para redução do melasma

Sabemos que o ácido tranexâmico é um inibidor da plasmina e atua como um clareador, pois através da inibição da plasmina é possível reduzir vários sinalizadores que induzem a formação da mancha, como o fator de crescimento endotelial venosos (VEGF), citocinas inflamatórias e hormônio melano-estimulante.


Mas vocês podem se perguntar, o que é plasmina?


Ela tem um papel importante no processo de feridas.

As feridas na pele são normalmente causadas por trauma mecânico, químico ou térmico rápido, e a cicatrização dessas feridas consiste em fases parcialmente sobrepostas de inflamação, formação de tecido e remodelação de tecido.

Normalmente a cicatrização da ferida na fase inflamatória inicia imediatamente após a formação da lesão ou ferida e está associada à migração de neutrófilos e macrófagos para a área ferida.

· Os neutrófilos (que são leucócitos do tipo granulócitos) inativam e eliminam infecções bacterianas e sofrem apoptose dentro de 1-5 dias após o recrutamento.

· Os macrófagos têm vida mais longa e são considerados os principais reguladores da cicatrização de feridas.

Inicialmente, após a formação da ferida, os macrófagos removem bactérias e células danificadas e tornam-se pró-inflamatórios. Nesse momento, liberam citocinas pró-inflamatórias, como interleucina (IL)-1, IL-6, IL-12 e fator necrose tumoral (TNF)α, e promovem o recrutamento de leucócitos adicionais. Depois, macrófagos fagocitam neutrófilos apoptóticos e se convertem em anti-inflamatório (também chamado de macrófagos de feridas) que expressam mediadores anti-inflamatórios, como IL-10, (TGF)β, fator de crescimento endotelial venoso (VEGF) e IGF.


Esses fatores iniciam a fase de proliferação da cicatrização de feridas, estimulando transição epitelial-mesenquimal, angiogênese e ativando os fibroblastos para proliferar e liberar colágeno. A transição fenotípica de macrófagos de pró para anti-inflamatório é crítica para a ativação e subsequente resolução de inflamação. Se a fase inflamatória não for resolvida, feridas podem não fechar, tornando-se crônica.

Durante o processo de cicatrização de feridas, ocorre remodelação substancial do tecido, incluindo a quebra e restabelecimento das membranas basais e a matriz extracelular (MEC).

Dois sistemas proteolíticos principais, as metaloproteases de matriz (MMPs) e o sistema ativador do plasminogênio (AP), estão envolvidos neste processo. A proteína chave do sistema AP é o plasminogênio (plg) que é ativado em plasmina por qualquer um dos dois ativadores do plasminogênio fisiológicos: urokinase-type PA (uPA) ou tissue-type PA (tPA) .

A plasmina é uma serina protease com ampla especificidade de substrato semelhante à tripsina que degrada a fibrina e vários componentes da MEC. Também ativa numerosas pró-MMPs. O sistema PA tem sido implicado em vários processos de remodelação tecidual, incluindo inflamação.



O sistema ativador de plasminogênio também foi sugerido para participar na migração de células inflamatórias, ativação do complemento e sinalização intracelular durante a inflamação.

O plasminogênio é uma molécula reguladora chave que se acumula na área ferida durante o primeiro dia de cicatrização da ferida, em qual ativa a transdução de sinal e potencializa a resposta inflamatória precoce.


O plasminogênio não é apenas essencial para início da fase inflamatória durante a cicatrização de feridas, mas também para a autolimitação da inflamação e para as demais fases de proliferação e remodelação.


A plasmina modifica os neutrófilos apoptóticos e aumenta fagocitose in vitro. Além disso, camundongos deficientes em plasminogênio têm uma redução da fagocitose de timócitos apoptóticos por macrófagos em o baço e o peritônio.


Recentemente, foi mostrado que o NGFβ (nerve growth fator), é um importante ativador para eliminando infecções bacterianas. NGFβ é liberado por macrófagos

e aumenta a fagocitose, morte dependente de superóxido e produção de citocinas pró-inflamatórias. Além disso, o nível de NGFβ maduro durante a infecção por S. aureus em camundongos é significativamente menor em camundongos deficientes em plasminogênio em comparação com camundongos controle, sugerindo que a geração de NGFβ maduro in vivo é dependente de plasminogênio. No Na verdade, o NGFβ possui amplas atividades em células não neuronais e é conhecido por ser um importante ativador da cicatrização de feridas. Igual ao plasminogênio, o nível de NGFβ em feridas cutâneas atinge o pico no dia 1 após ferindo e depois diminui para o nível básico.

Estudos in vitro mostraram que a plasmina pode ativar a sinalização cascatas em vários tipos de células, incluindo queratinócitos, fibroblastos e células endoteliais.


Após uma lesão, os leucócitos expressam receptores para plasminogênio em sua superfície. O plasminogênio se liga a esses receptores é transportado para a área ferida.

Os níveis de plasminogênio aumentam várias vezes e atingem um máximo no dia 1 após o ferimento.

Na superfície de células imunes, o plasminogênio é convertido em plasmina pela ação de ativadores de plasminogênio (como urokinase-type PA, por exemplo) que desencadeia cascatas de sinalização por um mecanismo ainda não identificado. Este processo resulta na liberação de citocinas pró-inflamatórias e estimulação da fagocitose.

A fagocitose de neutrófilos apoptóticos na área ferida permite que os macrófagos mudem de pró- para anti-inflamatórios e liberem citocinas anti-inflamatórias e hormônios de crescimento. Nesta fase, a inflamação diminui e a cicatrização da ferida entra na fase de proliferação. Os fatores liberados por macrófagos anti-inflamatórios, juntamente com o plasminogênio que se liga a receptores específicos em células não imunes (queratinócitos, fibroblastos, células endoteliais), ativam a transição epitelial para mesenquimal, que permite a migração das células. Este processo resulta em reepitelização, angiogênese e formação de tecido de granulação. Finalmente, na fase de remodelação, a atividade da plasmina é necessária para a remodelação do tecido.



Ácido tranexâmico


O ácido tranexâmico exibe efeitos hemostáticos, anti-inflamatórios e antialérgicos por meio de sua atividade antiplasmina, que resulta da forte ligação do tranexâmico

ao local de ligação da lisina e ao local de afinidade da fibrina da plasmina e do plasminogênio. A produção pela plasmina e outros peptídeos ativos responsáveis pelo aumento da permeabilidade vascular, alergia e lesões inflamatórias é subsequentemente inibida.


Assim, podemos usar de 2% - 10% de ácido tranexâmico com o objetivo de clarear a pele através da inibição da plasmina.


Abraços


Lucas Portilho

259 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo