• Lucas Portilho

Metais Pesados e Pele

Todos nós já ouvimos falar sobre os famosos “metais pesados”, mas afinal de contas, o que eles causam na nossa pele?

A nossa pele é a primeira barreira de defesa e também o primeiro órgão que entra em contato com essas substâncias.

O cádmio e níquel, por exemplo, levam ao estresse oxidativo, lesão de DNA e alteração em proteínas da pele. O níquel, especialmente, leva a um aumento das colagenases, resultando em maior quebra das proteínas da matriz extracelular e consequente perda da elasticidade. Pode causar alergias e redução da proliferação de queratinócitos.

O que acontece com a pele exposta a metais pesados?

Pesquisadores franceses usaram um modelo ex vivo para avaliar o efeito de uma combinação de metais pesados (níquel, chumbo, mercúrio e cádmio).

Foram encontradas diferenças significativas na morfologia da pele exposta aos metais pesados:

· Espongiose (edema intercelular)

· Cariopinose: condensação irreversível da cromatina no núcleo de uma célula em necrose ou apoptose

· Desprendimento de células da epiderme

· Redução da densidade de colágeno

O aumento do estresse oxidativo foi uma das principais causas do desencadeamento dos fenômenos descritos acima.

Clique aqui para saber mais ou se inscrever

Por que metais pesados danificam a barreira cutânea?

O principal motivo descoberto pelos pesquisadores foi a dramática redução de desmogleina e loricrina, duas proteínas importantes que garante a adesão entre os queratinócitos e controlam o processo de descamação. Uma vez que os metais pesados desregulam essas proteínas, a pele, pra ser mais específico a epiderme, perde a capacidade de manter o turn over celular de forma sadia.

Metais pesados desarmam as defesas naturais das nossas células da pele

Contra o estresse oxidativo, nossas células tem um sistema de formação de antioxidantes endógenos, como glutationa peroxidase, catalase, superóxido dismutase e metalotioneína. Na presença de metais pesados, esperaríamos um aumento desse sistema de defesa para combater dano oxidativo, mas o que os pesquisadores mostraram foi uma redução da capacidade de formação do nosso sistema redox de defesa.


Observem nas figuras abaixo a diferença na pele controle e na pele exposta aos metais pesados. É notável a diferença morfológica na junção dermo-epidermal, percebam como ela está mais lisa na figura B.


Até onde os metais penetram na nossa pele

· Níquel: penetra e acumula na derme.

· Mercúrio: acumula na epiderme. Não chega até a derme.

· Cádmio: acumula na epiderme. Não chega até a derme.

· Chumbo: encontrado tanto na epiderme quanto na derme.

Como evitar o contato desses metais com a pele?

Existem duas estratégias que podem ser usadas nos produtos dermocosméticos que reduzem o impacto de poluentes com a pele.

São três estratégias que recomendo:

1. Criar um filme protetor, uma barreira física que impede o contato dos poluentes com a pele. Gosto do Filmexel, Skin blitz ou Belsil REG 1102.

2. Mesmo com a proteção do filme físico, parte desses metais podem chegar até a pele e neste caso, recomendo ingredientes com potencial antioxidante para combater as espécies reativas de oxigênio formadas. Aqui temos várias opções, desde vitamina C, Vitamina E, ácido ferulico e extratos vegetais.

3. Aumentar nossas defesas e formação de sistema antioxidante endógeno. Gosto do resveratrol e hidroxitirosol.

Portanto, esse inimigo invisível da pele pode causar um grande estrago e com a cosmetologia podemos reduzir o impacto causado por metais pesados.

Abraços

Lucas Portilho

318 visualizações
  • 1024px-Telegram_logo.svg
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
revista,bannersite.jpg

© 2010 lucasportilho.com • Todos os direitos reservados.